As autoridades de saúde de Cuba estão usando baixas doses do medicamento antimalárico hidroxicloroquina para tratar efetivamente pacientes com COVID-19 nos estágios iniciais da doença.

“Usamos a hidroxicloroquina no âmbito do protocolo de tratamento de pacientes com coronavírus”, disse à Agência Anadolu o Dr. Augustin Lage Davila, consultor do presidente da BioCubaFarma e ex-diretor do Centro de Imunologia Molecular de Havana.

De acordo com números divulgados pelo governo local, Cuba teve até agora apenas 2400 casos e 86 mortes, enquanto o estado da Flórida, que fica a poucos quilômetros da ilha teve mais de 4000 mortes e mais de 220 mil casos.

“Estamos cientes das polêmicas em torno deste produto. Os médicos aqui em geral têm uma boa opinião dos resultados alcançados, desde que sejam usados ​​precocemente em doses baixas e somente em pacientes sem comorbidades, o que pode ser complicado pela hidroxicloroquina. “, disse o Dr. Davila.

Ele disse que Cuba continuará a usar hidroxicloroquina nos “poucos pacientes ativos” restantes no país, embora “não seja o principal” componente do protocolo cubano.

Os outros cinco medicamentos mencionados pelo Dr. Davila são o interferon humano recombinante alfa-2b, uma combinação de interferon alfa e interferon gama denominados HeberFERON, Biomoduline T, peptídeo CIGB-258 (Jusvinza) e o anticorpo monoclonal humanizado Itolizumab. Algumas dessas drogas foram efetivamente usadas no tratamento da doença tropical transmitida por mosquitos, dengue e câncer no passado.

E agora, será que vai dar um nó na cabeça da esquerda brasileira?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here