28.2 C
V Redonda
28/02/24
HomeMundoArgentina: Em outubro, inflação subiu 3,8% e registrou o maior salto até...

Argentina: Em outubro, inflação subiu 3,8% e registrou o maior salto até agora neste ano

Date:

Related stories

O Facebook e a lucrativa indústria de “verificação” de fatos

Duas das universidades mais poderosas da Austrália e um gigante tecnológico multibilionário estão liderando campanhas para silenciar a cobertura noticiosa do Voice para influenciar o referendo, escreve Jack Houghton.

Violações sexuais contra crianças crescem quase 70% no Brasil

Sinais sutis como agressividade, falta de apetite e isolamento...

‘Fiquei apavorada’: ex-nadadora da NCAA diz ter sido agredida fisicamente por ativista transgênero

Riley Gaines, ex-nadadora da National Collegiate Athletic Association (NCAA)...
spot_imgspot_img

O Instituto Nacional de Estatística e Censos ( Indec ) divulgou nesta quinta-feira que a inflação subiu 3,8% em outubro e marcou o maior salto até agora neste ano. 

“Os preços ao consumidor aumentaram 3,8% em outubro de 2020 em comparação com setembro e 37,2% no comparativo anual”, indicou o INDEC.

O relatório lembrou que “a divisão de Vestuário e calçados foi a que apresentou o maior aumento no mês (6,2%)” mas “a divisão de Alimentos e Bebidas não Alcoólicas (4,8%) registrou a maior incidência em todas as regiões “.

“Neste último caso, sobressaíram os aumentos em Hortaliças, tubérculos e leguminosas; Frutas; e Óleos, gorduras e manteiga”, explicou o órgão liderado por Marco Lavagna.

“Em outubro, as divisões de Equipamentos e manutenção doméstica e Transportes apresentaram altas de 4,5% e 4,2% respectivamente. No primeiro caso, impactaram os avanços em eletrodomésticos e bens e serviços de manutenção doméstica, enquanto nos No segundo caso, destacaram-se os aumentos na compra de veículos e combustíveis ”, acrescentou o Indec.

Os menores acréscimos foram registrados em Educação (0,1% ao mês) e Comunicação (-0,1% ao mês), após o congelamento e a declaração de serviços essenciais de telefonia, cabo e internet.

Assim que se soube do número, o governo saiu a indicar que “2020 iria encerrar com uma inflação quase 20 pontos percentuais inferior à de 2019, apesar do aumento de outubro”.

“Dessa forma, nos dez primeiros meses do ano a inflação acumulada é de 26,9%, sendo 15,3 pp menor que os 42,2% acumulados no mesmo período de 2019”, compararam na Casa Rosada.

Eles acrescentaram que “a inflação interanual foi de 37,2%, bem abaixo dos 50,5% registrados em outubro de 2019”.

Na Pesquisa de Expectativas de Mercado (REM) do Banco Central (BCRA), analistas estimavam que a inflação ficaria em 3,2% no décimo mês deste ano e projetavam que 2020 encerraria com alta acumulada de 35,8 %.

Os dados de outubro ultrapassaram a marca de março ( 3,3%) e representaram o maior salto não só desde a instalação da pandemia do coronavírus, mas até agora em 2020.

O ministro da Economia, Martín Guzmán, anunciou na semana passada que outubro será o mês que será o “mês mais complicado” no que diz respeito à corrida inflacionária. 

“Os preços regulados foram atualizados. Além disso, há problemas sazonais com frutas e verduras, uma mudança de estação que impacta o preço das roupas e semanas muito ruins no gap cambial . Outubro vai ser o mês mais complicado em termos inflação, mas até novembro vai se revertendo “, antecipou.

Os dados de inflação de outubro foram conhecidos após a formalização da decisão de iniciar a liberação de preços máximos, esquema lançado no início da quarentena do coronavírus e que buscava evitar aumentos e escassez injustificados.

O Ministério do Comércio Interno isentou de Preços Máximos um grupo de produtos de menor impacto e maior oferta na cesta de consumo massivo, cujos reajustes serão acertados nos próximos dias entre as autoridades do Ministério do Desenvolvimento Produtivo e empresários.

Fez isso por meio da resolução 552/2020 publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União, e apontou que “as necessidades básicas continuarão atingindo os preços máximos”.

O regulamento especificou que se trata de uma suspensão parcial “relativamente a um conjunto de bens que pelas suas características e finalidade têm uma relevância moderada no atendimento das necessidades básicas dos consumidores e utilizadores, e com maior grau de substituibilidade”.

O Comércio Interno sublinhou que “esta medida responde à progressiva reativação de atividades produtivas e comerciais que já apresentam melhores condições e que garantem a manutenção da oferta de produtos de consumo massivo e está articulada com a atual situação sanitária e econômica”.

Subscribe

- Never miss a story with notifications

- Gain full access to our premium content

- Browse free from up to 5 devices at once

Latest stories

spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here