28.2 C
V Redonda
28/02/24
HomeBrasilEstudo mostra rombo (bilionário) na AMBEV

Estudo mostra rombo (bilionário) na AMBEV

Date:

Related stories

O Facebook e a lucrativa indústria de “verificação” de fatos

Duas das universidades mais poderosas da Austrália e um gigante tecnológico multibilionário estão liderando campanhas para silenciar a cobertura noticiosa do Voice para influenciar o referendo, escreve Jack Houghton.

Violações sexuais contra crianças crescem quase 70% no Brasil

Sinais sutis como agressividade, falta de apetite e isolamento...

‘Fiquei apavorada’: ex-nadadora da NCAA diz ter sido agredida fisicamente por ativista transgênero

Riley Gaines, ex-nadadora da National Collegiate Athletic Association (NCAA)...
spot_imgspot_img

Outra empresa abarcada pelo trio Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira, a Ambev (ABEV3), parece estar no mesmo caminho da Americanas (AMER3): com uma dívida bilionária. A afirmação é da CervBrasil (Associação Brasileira da Indústria da Cerveja), que representa produtores menores que a empresa.

Estudo encomendado pela CervBrasil aponta déficit estimado de R$ 30 bilhões em manobras fiscais. Enquanto no caso da Americanas é uma dívida bilionária com bancos, no caso da Ambev seria uma dívida com tributos federais, estaduais e municipais, relata o diretor da associação, segundo o “Radar Econômico”.

A associação acusa a empresa de inflacionar o preço dos componentes necessários para a produção do refrigerante, que está contemplado na isenção e na geração de créditos tributários na Zona Franca de Manaus. A empresa, assim, acumula irregularmente mais créditos tributários do que deveria, desvia o erário público e lucra mais. O estudo foi realizado pela consultoria AC Lacerda.

O CEO da CervBrasil, Paulo Petroni, diz que, desde pelo menos 2017, relatórios de fiscalização da Receita Federal apontam “bilhões e bilhões em infrações fiscais cometidas por produtores de concentrados de refrigerantes na Zona Franca de Manaus”. No entanto, os balanços da Ambev não captam esse valor, que é cobrado pela Receita Federal.

Desde a divulgação do vazamento da conta da Americanas (AMER3), empresas nas quais a 3G Capital tem participação, como Ambev (ABVE3) e Zamp (ZAMP3), têm chamado a atenção dos investidores. Para analistas ouvidos pela BP Money, os ativos das demais empresas incluídas na carteira do 3G podem sofrer volatilidade no curto prazo, mas não devem ser tão afetados pela crise varejista.

Para Armand Borba, CFP planejador financeiro e sócio da Matriz Capital, as empresas do grupo costumam passar por uma crise de confiança, que deve afetar a 3G Capital por algum tempo. Ygor Guedes, head de alocação da InvestSmart, compartilha da mesma opinião, confirmando que o caso da Americanas lembra aos investidores outros casos de problemas contábeis no passado.

Desde o anúncio do déficit pela varejista, inicialmente de R$ 20 bilhões, em 11 de janeiro deste ano até a última quarta-feira (25), as ações da Ambev (ABVE3), Zamp (ZAMP3) e Kraft Heinz (KHCB34) apresentam oscilações negativas.

A Ambev se posicionou sobre o tema, afirmando que “as acusações da CervBrasil não têm fundamento”. O cervejeiro também afirmou que calcula todos os créditos tributários estritamente de acordo com a lei. Confira abaixo o posicionamento da Ambev.

“As acusações da Cervbrasil são infundadas. Calculamos todos os nossos créditos tributários estritamente com base na lei. Nossas demonstrações financeiras obedecem a todas as normas regulatórias e contábeis, que incluem transparência nas disputas fiscais. A Ambev está entre os 5 maiores contribuintes do Brasil.”

Subscribe

- Never miss a story with notifications

- Gain full access to our premium content

- Browse free from up to 5 devices at once

Latest stories

spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here