19.3 C
Volta Redonda
23/03/23
HomeEditorialO Facebook admite em tribunal que 'checagens de fatos' são apenas opiniões

O Facebook admite em tribunal que ‘checagens de fatos’ são apenas opiniões

Date:

Related stories

Estudo mostra rombo (bilionário) na AMBEV

Outra empresa abarcada pelo trio Jorge Paulo Lemann, Marcel...

A ‘ressaca’ da Ibovespa no pós Carnaval

O Ibovespa caiu nesta quarta-feira de cinzas após quatro...

Analistas do Mercado esperam inflação crescente até 2026

Analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central elevaram...

Suprema Corte avalia responsabilidade do Twitter em atos terroristas

A Suprema Corte dos Estados Unidos começou nesta quarta-feira...
spot_imgspot_img

Apesar de se apresentar ao público como árbitro da verdade e fiador de informações factualmente corretas, protegendo os usuários contra “notícias falsas” e “desinformação”, o Facebook admitiu em tribunal que suas “verificações de fatos” de informações – frequentemente destinadas aos conservadores – nada mais são do que declarações de opinião.

A bomba surgiu da batalha judicial do Facebook com John Stossel, que está processando a empresa por difamação sobre sua decisão de adicionar rótulos de “verificação de fatos” aos vídeos do analista libertário sobre mudança climática.

Na página dois do processo judicial do Facebook (grifo nosso):

Além desse limite, o problema da Seção 230, a reclamação também não apresenta uma reclamação por difamação. Por um lado, Stossel falha em pleitear fatos que demonstrem que Meta agiu com malícia real – o que, como uma figura pública, ele deve fazer. Por outro lado, as afirmações de Stossel se concentram nos artigos de checagem de fatos escritos pelo Climate Feedback, não nos rótulos afixados na plataforma do Facebook. Os rótulos em si não são falsos nem difamatórios; pelo contrário, constituem opinião protegida. E mesmo que Stossel pudesse atribuir as páginas separadas do Climate Feedback ao Meta, as declarações contestadas nessas páginas também não são falsas nem difamatórias. Qualquer uma dessas falhas condenaria a reclamação de Stossel, mas a combinação torna qualquer emenda fútil.

O Facebook, agora se autodenominado “Meta”, afirma que Stossel precisa “atribuir as páginas separadas do Climate Feedback ao Meta” por causa da terceirização da censura pela empresa de tecnologia para verificadores de fatos terceirizados, compostos por organizações liberais de mídia e organizações sem fins lucrativos. O Facebook usa esse sistema para se distanciar da responsabilidade de qualquer verificação de fatos, argumentando que as decisões são tomadas por terceiros e não pela própria empresa.

No entanto, a empresa ainda age de acordo com essas decisões afixando etiquetas nas mensagens que foram “verificadas pelos fatos” e suprimindo seu alcance na plataforma.

Subscribe

- Never miss a story with notifications

- Gain full access to our premium content

- Browse free from up to 5 devices at once

Latest stories

spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here