31.5 C
V Redonda
28/02/24
HomeMundoRelatório mostra que vacinas têm eficácia negativa em relação aos não vacinados

Relatório mostra que vacinas têm eficácia negativa em relação aos não vacinados

Date:

Related stories

O Facebook e a lucrativa indústria de “verificação” de fatos

Duas das universidades mais poderosas da Austrália e um gigante tecnológico multibilionário estão liderando campanhas para silenciar a cobertura noticiosa do Voice para influenciar o referendo, escreve Jack Houghton.

Violações sexuais contra crianças crescem quase 70% no Brasil

Sinais sutis como agressividade, falta de apetite e isolamento...

‘Fiquei apavorada’: ex-nadadora da NCAA diz ter sido agredida fisicamente por ativista transgênero

Riley Gaines, ex-nadadora da National Collegiate Athletic Association (NCAA)...
spot_imgspot_img

A Pfizer afirma que a injeção de MRNA Covid-19 tem uma eficácia vacinal de 95%. Eles foram capazes de reivindicar isso por causa do seguinte –

Durante o ensaio clínico em andamento, 43.661 indivíduos foram divididos igualmente entre os grupos placebo e vacinal (cerca de 21.830 indivíduos por grupo).

No grupo placebo — o grupo que não tinha a vacina Pfizer Covid-19 — 162 foram infectados pelo coronavírus e apresentaram sintomas.

Enquanto no grupo vacinal — o grupo que recebeu a vacina real — esse número foi de apenas 8.

Portanto, o percentual de placebo que se infectou equivalia a 0,74% (162 / 21830 x 100 = 0,74).

Enquanto 0,04% do grupo vacinado foi infectado (8 / 21830 x 100 = 0,04)

Para calcular a eficácia de sua injeção de Covid-19 mRNA, a Pfizer realizou o seguinte cálculo –

Primeiro subtraíram o percentual de infecções no grupo vacinado a partir do percentual de infecções no grupo placebo.

0,74% – 0,04% = 0,7%

Em seguida, dividiram esse total pelo percentual de infecções no grupo placebo, o que equivale a 95%.

0,7 / 0,74 = 95%.

Portanto, a Pfizer conseguiu alegar que sua injeção de Covid-19 mRNA é 95% eficaz.

Não precisamos entrar no fato de que este cálculo foi extremamente enganoso e apenas mediu eficácia relativa em vez de eficácia absoluta. Também não precisamos entrar no fato de que a Pfizer optou por ignorar milhares de outras infecções suspeitas durante o teste em andamento e não realizar um teste de PCR para confirmar a infecção porque teria jogado eficácia abaixo do mínimo necessário de 50% para obter aprovação regulatória.

A razão pela qual não precisamos entrar nisso é porque o público em geral está sendo informado de que a vacina Pfizer Covid-19 é 95% eficaz devido ao cálculo realizado acima. O mesmo cálculo também foi utilizado com base em resultados individuais para reivindicar uma eficácia vacinal de cerca de 70% para a AstraZeneca, e cerca de 98% para a Moderna.

Agora, graças a uma riqueza de dados publicados pela nova Agência de Segurança sanitária do Reino Unido, podemos usar o mesmo cálculo que foi usado para calcular 95% de eficácia da vacina Pfizer, para calcular a eficácia do mundo real das vacinas Covid-19.

A tabela 3 do relatóriode Vigilância de Vacinas da Agência de Segurança sanitária do Reino Unido, publicado em 11 de novembro de 2021, mostra o número de infecções registradas por estado de vacinação entre a semana 41 e a semana 44 de 2021. Também mostra a taxa de casos confirmados entre as pessoas totalmente vacinadas, e as taxas entre as pessoas não vacinadas por 100.000 pessoas.

A Pfizer tinha uma quantidade igual de pessoas que haviam sido vacinadas, e não tinha sido vacinada no ensaio clínico em andamento para calcular a eficácia de sua vacina, então, para calcular a eficácia do mundo real tudo o que temos que fazer é realizar o mesmo cálculo usando as taxas por 100.000 números fornecidos pela Agência de Segurança Sanitária do Reino Unido, que são os seguintes –

A effictiveness de todas as vacinas disponíveis combinadas é tão baixa quanto menos-126% na faixa etária de 40-49 anos, e apenas +13% na faixa etária de 18 a 29 anos, a única faixa etária diferente da dos menores de 18 anos que as vacinas estão atualmente mostrando ter uma eficácia positiva.

Isso prova que as vacinas Covid-19 estão tornando as pessoas mais suscetíveis a pegar Covid-19, em vez de prevenir casos de Covid-19 pelos 95% reivindicados, e o fato de a eficácia das vacinas ter agora superado a barreira de menos de 100% em todos entre 40 e 69 anos, sugere que ela dizimou completamente seus sistemas imunológicos, pelo menos quando se trata de infecção do suposto vírus SARS-CoV-2.

Combinando os números fornecidos para todas as faixas etárias com mais de 18 anos, conseguimos calcular uma eficácia média da vacina de menos de 69%, e estamos definitivamente vendo isso no número de casos confirmados por estado de vacinação.

Entre a semana 41 e a semana 44 de 2021, foram confirmados 79.516 casos de Covid-19 confirmados nos não vacinados acima dos 18 anos, 25.554 casos confirmados em 18 anos, e assustadores 450.132 casos confirmados nos 18 anos.

O novo relatório da Agência de Segurança sanitária do Reino Unido prova sem sombra de dúvida que as vacinas Covid-19 não previnem infecções ou transmissão.

Subscribe

- Never miss a story with notifications

- Gain full access to our premium content

- Browse free from up to 5 devices at once

Latest stories

spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here